18 fevereiro 2015

VIAGENS | VIAJAR COM BAIXO ORÇAMENTO?

  O que eu gostava mesmo era de passar um ano ou dois a dar a volta ao Mundo. Como não ganhei o Euromilhões e muito menos recebi uma herança milionária, vou cumprindo esse objectivo devagarinho. Um grupo de amigos e cá vamos nós, de quando em vez. No entanto, uma das coisas que reparei logo desde o início é que muitos deles apesar de terem essa vontade, desmoralizavam rapidamente devido ao valor que achavam  que não estava ao seu alcance. Enquanto estudante a viver fora da casa dos pais sei bem o dinheiro que se gasta todos os meses nos básicos. Como trabalhos só coisas esporádicas, dependo das minhas poupanças ao longo dos anos (já disse o quanto me orgulho de ter sido uma criança poupadinha?) para o fazer. Aqui ficam algumas coisas que aprendi com as últimas incursões. (É possível gente!)


1. Ser o nosso próprio agente de viagens
Divirto-me imenso a fazê-lo. Posso personalizar a viagem exactamente ao gosto do grupo, controlar todas as despesas e ainda aprender imenso enquanto pesquiso sobre os lugares que quero visitar.

2. Optar por acomodação alternativa
Bem-vindos ao século XXI! A ditadura dos hotéis terminou. Com tanta oferta basta ser original. Existem hostels e pousadas (ver Hostelword), que muitas vezes têm um ambiente muito mais informal, os parques de campismo, apesar de eu só arriscar nos meses quentes do ano e agora, através do Couchsurfing, até já é possível ficar, ao que parece, em casa de locais a custo zero.

3. Poupar na alimentação 
Percebi que muitas das vezes, a alimentação era um dos meus maiores gastos diários em viagem. Num hotel as refeições não incluídas são um balúrdio. A opção pode ser um supermercado ou um restaurante barato. Nos hostels costuma existir uma cozinha onde cada hóspede pode fazer a sua própria refeição. Basta arranjar uns recipientes herméticos, pôr nas malas e aí está a opção mais económica de todas. P.S. Verificar também as refeições incluídas na estadia escolhida. Por vezes 2/3€ a mais por diária não são grande dilema se o pequeno-almoço vier incluído.


4. Viajar em época baixa
Viajar no Inverno não é o mesmo que no Verão. A inconstância do tempo torna tudo mais incerto, mas até agora não tive dilemas de maior. Muitas cidades e lugares têm até mais encanto nesta época do ano. Os preços são muito mais baratos e com um bom agasalho tudo se faz.



5. Fazer amizade com os ténis de caminhada
Aqui depende da geografia de cada local. Existem cidade pequenas e planas que dispensam qualquer transporte e outras em que vale a pena considerar um combinado diário. O meu lema é: sempre que possível caminhar. Voltar a casa é satisfatório, com um boost na forma física, já para não dizer que se descobrem muitas maravilhas que não vêem em nenhum guia turístico.

6. Aproveitar a juventude
Queixo-me por não ter muito dinheiro para viajar mas a verdade é que a muitas entidades até são porreiras e garantem descontos bastante interessantes até aos 25 ou 30 anos/dependendo dos casos. É aproveitar até lá. Acho que nem preciso de falar do Cartão Jovem. Esta dica também se verifica ao contrário, maiores de 65 já sabem!

7. Marcar aviões, comboios e autocarros assim que possível
É uma chatice quando de repente já não há lugar para toda a gente no mesmo voo, quando o autocarro já está cheio ou quando o comboio já esteve com bilhetes mais baratos. Já apanhei verdadeiras pechinchas. A CP, por exemplo, faz descontos até 50% em viagens marcadas com mais de 5 dias de antecedência. 

8. Preparar o dia seguinte 
Já em viagem, dar uma vista de olhos de última hora ao programa do dia seguinte, evita gastos em transportes extra, refeições caras compradas na hora entre muitas outras despesas que podem aparecer. 


9. Usar dinheiro vivo
Por uma questão de segurança, sei que é preferível usar cartão de crédito ou débito, mas para as entradas nas atracções, cafés depois do almoço, garrafas de água e pacotes de pastilhas que possam a vir a ser necessários prefiro sempre pagar em dinheiro vivo. Torna-se muito mais fácil perceber se nesse dia já ultrapassei a minha conta em extras.

10. Visitar a região em vez de uma só cidade 
Geralmente, as viagens concentram-se muito mais nos grandes centros urbanos. Muitas vezes, vale mesmo a pena alargar um pouco a rota e visitar aquela vila mais periférica da região e descobrir pequenos tesouros. Já para mão dizer que duas ficam praticamente pelo preço de uma.

8 comentários:

  1. Ora aqui estão muito boas dicas! (:
    Concordo com tudo, também faço quase todos os caminhos a pé sempre que posso, dá aliás para conhecer uma outra perspetiva das cidades.

    Haja tempo para viajar. (:

    C.weetie - trends & other stuff

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada.
      Essa é um dica que me faltou deixar. Aproveitar feriados e fins-de-semana prolongados, para voltas mais curtas :)

      Eliminar
  2. R: Obrigada pela opinião :) realmente estava a pensar num part time ou algo do género, mas é algo a ser melho pensado ainda.
    Gostei imenso destas dicas! E tens toda a razão, às vezes racionalizar um bocadinho e fazer escolhas mais "apertadas" compensa imenso, as pessoas é que muitas vezes não vêem essas soluções :)

    ResponderEliminar
  3. Dicas muito úteis :)
    Pessoalmente prefiro o cartão, não gosto de andar com dinheiro :)

    ResponderEliminar
  4. Super concordo com as dicas, são muito úteis. Sobretudo para quem ama viajar mas não tem muito dinheiro para esbanjar. Eu, qua amo viajar, vou adoptar algumas.
    www.letirose.com

    ResponderEliminar